sábado, 7 de novembro de 2009

“É preciso recuperar o sentido da educação"

O mundo está preso a uma espiral destrutiva, a lógica do capital, que pode causar seu desaparecimento. Destrói-se a natureza, pensando que se está estimulando a produção de mercadorias necessárias para o bem-estar humano. Justificam-se ataques militares, que geram massacres, como se fossem as únicas formas de deter a violência. Tais anomalias não revoltam a maioria da população, pois estão encobertas em uma capa que turva sua compreensão. Esta, de acordo com o filósofo húngaro István Mészáros, se chama alienação. “É a perda de controle sobre as atividades humanas que poderíamos e deveríamos controlar”, diz. Mészáros esteve em São Paulo para o relançamento de seu livro A teoria da alienação em Marx (Boitempo Editorial, 2006), quando concedeu uma entrevista ao Brasil de Fato. Falou sobre os aspectos mais perversos do capitalismo e da lógica do capital, fenômenos que insiste em diferenciar. Explicou que, onde há alienação, estão os elementos que podem derrocar a dominação do povo. O alimento das práticas de transformação social é a educação. “É preciso recuperar o sentido da educação, que é conhecer-se a si mesmo, aprender por diferentes meios. O pensamento crítico precisa ser desenvolvido pelo povo, pois só ele tem a força de se libertar”, diz.


Brasil de Fato - Em A teoria da alienação em Marx, o senhor afirma que se tornou uma necessidade histórica problematizar o conceito de alienação. Por quê?


István Mészáros - A sobrevivência da humanidade está ameaçada, não só em razão da potência militar de alguns países, mas também em virtude da devastação da natureza. Precisamos modificar, radicalmente, nosso modo de vida ou desapareceremos. Chegamos a esse ponto porque há um poder, do qual estamos alienado, que controla o sistema social, em vez de nós mesmos dirigirmos nosso destino. Poderosos interesses econômicos determinam o modo como devemos nos relacionar com a natureza, nos levando à nossa própria destruição. Na ECO-92, encontro internacional realizado no Rio de Janeiro em 1992, várias promessas foram enunciadas por governos, incluindo o estadunidense, para deter a devastação ambiental. Mas elas são descumpridas, quando o presidente George W. Bush deixa de assinar o Protocolo de Kyoto, apesar de reconhecer que os Estados Unidos são responsáveis por um quarto dos danos à natureza. A devastação é irreversível.


BF - O capitalismo contemporâneo funciona na lógica da produção destrutiva. As máquinas do sistema não páram, mas seu funcionamento é perverso, pois exaurem o planeta.
Mészáros - Os Estados Unidos assumem um papel determinante no direcionamento do poder alienado que dirige os destinos da população mundial. A maioria dos outros países não é melhor, mas não consegue competir com o império. Ao mesmo tempo, a condição de superpotência dos EUA é paradoxal, pois o país passa por grandes dificuldades econômicas, manifestadas pela existência de uma dívida catastrófica, que não tem como ser quitada. Os juros só são pagos com dinheiro extraído de outros países, por meio de acordos de comércio injustos ou intervenções militares. Antes, o capitalismo se orgulhava de ser uma destruição produtiva, mas sua manifestação imperialista se sustenta na lógica da produção destrutiva. A alienação, absolutamente dominante, é o alicerce dessa lógica perversa.

BF - Por que decidiu basear sua análise em Os manuscritos econômico-filosóficos, do pensador Karl Marx, de 1844?

Mészáros - Essa obra representa o momento da maturação da teoria do capital que Marx vai apresentar em outros textos, como O capital. Ele dizia que o mundo estava caminhando para a capacidade de se autodestruir. Hoje temos poderio militar para nos destruir mais de mil vezes. Há algumas décadas, quando Estados Unidos e União Soviética disputavam a hegemonia mundial, falava-se na teoria da destruição mútua assegurada. O poderio nuclear das duas potências mantinha um certo equilíbrio planetário. Hoje, pelo menos uma dúzia de países têm armas nucleares e a possibilidade de um confronto com bombas atômicas não é descartável. Além disso, outros armamentos, principalmente químicos, põem em risco a humanidade. Teóricos do Pentágono, que não posso chamar de outra coisa senão de loucos, defendem o uso de armas de destruição em massa contra países que resistem à dominação total dos Estados Unidos. O resultado de pensamentos como esse é a situação do Iraque, onde mais de 100 mil pessoas já morreram. A insanidade, com base na influência do Pentágono, se tornou a lógica dominante das relações internacionais.

BF - Como o senhor define alienação?

Mészáros - É a perda de controle sobre as atividades humanas que poderíamos e deveríamos controlar. O sistema social é uma construção humana e deveria ser controlado pelos homens, mas está longe de nós, fora de nosso alcance, está alienado. Está, algumas vezes, usurpado.

BF - Como fazer esse controle?

Mészáros - Não tem como ser controlado sob a hegemonia do poder do capital. A alienação não é algo mágico, que cai do céu, mas é parte fundamental do que chamo metabolismo social de humanidade. A alienação é um tipo de controlador do capital, que não se preocupa com o destino do planeta, mas com sua própria reprodução, infinita. A ironia da humanidade é que conseguiu desenvolver instrumentos suficientes para manter-se, para que todos tenham o que comer, mas são usados para estimular uma realidade destrutiva. A lógica do capital é estimular a alienação, pois faz com que a população aceite esse paradoxo. A alienação leva à racionalização da insanidade, o que cria a ilusão de ser a ordem correta das coisas. É o modo como se gera a ideologia dominante. Quando a invasão do Iraque começou, a justificativa era a existência de armas de destruição em massa. Três anos depois, vemos massacres, ruínas, sofrimento, mas nada do tal armamento. Essa incongruência foi racionalizada, impedindo que levasse à revolta dos que acreditaram nas justificativas do governo estadunidense. Mesmo assim, a alienação também está no fato de se acreditar que os problemas da humanidade podem ser resolvidos com violência. A mudança dessa dominação, que coloca em risco a sobrevivência do planeta, depende de uma ação revolucionária que vá além da lógica do capital. Dois elementos podem gerar essa ação revolucionária: a defesa da natureza e a resistência ao belicismo.

BF - Em Os manuscritos, Marx fala em diferentes formas de alienação, mas destaca a dos homens em relação a eles mesmos e seus pares. Como pensar em uma ação revolucionária, se estamos dispersos e atomizados?

Mészáros - A lógica do capital força uma competição destrutiva dos humanos. A competição, em si, não é ruim. Pode levar à superação de limites e até a novas formas de cooperação. Hoje, a competição é antagônica: alguém tem sempre que ser destruído. Gera uma onda de medo, o que serve de suporte para governos autoritários. A base de nossa vida social, a produção e a reprodução das condições de nossa sobrevivência, fica fora de nosso controle. Aqui, mais uma vez, está a alienação. A própria noção de economia, fundamental para nossa vida, é desvirtuada. Antes, queria dizer poupar. Hoje, é consumir, ao último nível possível. Quebrar a alienação é repor as definições históricas juntas, mostrando a trajetória do conhecimento de cada conceito e prática.

BF - A União Soviética, a China e a Iugoslávia, países que reivindicaram o comunismo, não se preocuparam mais do que os capitalistas com a natureza.

Mészáros - Nunca tivemos países realmente comunistas. Esses três países desafiaram, de fato, o capitalismo, mas nunca se desvencilharam do poder do capital. Encontraram outras formas de fazê-lo existir. Um dos países que mais devastou o ambiente foi a União Soviética, que poluiu territórios imensos. A construção do socialismo não pode se desligar da preocupação com a ecologia, base de nossa sobrevivência. A questão não é só derrubar o capitalismo ou os Estados capitalistas, que podem até ser facilmente derrubados, mas criar um novo poder, que enfrente a lógica do capital. A União Soviética é prova de que os Estados capitalistas podem ser derrubados e, depois, restaurados. A raiz do problema não é o capitalismo - um sistema recente dentro da história da humanidade - mas a lógica do capital. Os países citados se diziam comunistas, mas mantiveram a lógica da produção destrutiva. Pensavam que tinham que produzir mais do que os Estados Unidos, controlar mais áreas de influência. Seguiram, na verdade, a mesma lógica. Não foram buscar os sentidos originais dos conceitos e conhecimentos, como a definição antiga de economia ou as contradições apontadas por Marx. Reinterpretaram a alienação, mas mantiveram-na como lógica dominante.

BF - O grande desafio da humanidade é desenvolver uma cultura crítica, no sentido político do termo, em relação às práticas sociais, atualmente alienadas.

Mészáros - Não basta manter a crítica em sua cabeça ou para um círculo fechado, é preciso fazer a ponte com a realidade. A crítica tem que ser o alimento para organizar um movimento de massa para transformar a lógica do capital. Isso exige que as pessoas críticas assumam a responsabilidade de mudar os rumos. Mas como isso é possível se apenas alguns estão no comando político e outros estão excluídos das decisões? Como esperar que as pessoas assumam a responsabilidade pelas decisões se nunca fi zeram isso, nem acham que sabem como fazer?

BF - A própria noção de que alguns sabem e outros têm que ser comandados é ideológica. A alienação mantém essa visão, que gera pessoas inseguras, fáceis de manipular.
Mészáros - Não se pode perder de vista a necessidade do confronto. Os excluídos têm que questionar a razão de sua exclusão. Daí, vão chegar à conclusão de que não há nada que a justifique.
BF - Como se dá essa tomada de consciência?

Mészáros - Não pode se dar simplesmente por um grupo de intelectuais. O pensamento crítico precisa estar ao alcance de e ser desenvolvido por uma massa de pessoas. O problema é que, desde a mais tenra idade, nas escolas, as pessoas são ensinadas a ser pacatas. Muitas pessoas nem têm acesso à educação formal. Formas alternativas de educação devem ser desenvolvidas pelo povo. É preciso recuperar o sentido da educação, que é se conhecer a si mesmo, aprender por diferentes meios, criativos e alternativos. O pensamento crítico precisa ser desenvolvido pelo povo, pois só ele tem a força de se libertar. Não há fórmula mágica, além da necessidade de estimular a criatividade que a alienação tenta destruir.

BF - Marx diz que é preciso buscar o ponto de contradição do sistema, pois só nele está a chave para a emancipação. O senhor está dizendo que é preciso desmistificar os mecanismos de alienação?

Mészáros - A alienação só pode ser vencida com educação. Há uma relação dialética, é claro. Não se acaba com a alienação simplesmente passando uma lei: a alienação está proibida. Isso gera mais alienação. A educação precisa ser orientada para uma humanidade sustentável. É uma pedagogia com clara intenção política, a de libertar o povo, mas não é dogmática, pois emana do próprio povo. Ressalto que essa educação é emergencial. É preciso assumir a responsabilidade sobre a transformação dessa perspectiva, não tão distante, de um mundo prestes a desaparecer. O primeiro passo é parar a competição destrutiva e estimular uma interação positiva entre os homens.
Quem é

Autor do clássico Para além do capital, o húngaro István Mészáros nasceu em Budapeste, em 1930, onde se graduou em Filosofia. Integrou a Associação de Escritores Húngaros, editou a revista da Academia de Ciências, Magyar Tudomány, e a revista mensal Eszmélet. Após a revolta de 1956, abandonou o país. Em 1995, foi eleito membro da Academia Húngara de Ciências. Em 2006, recebeu o título de Pesquisador Emérito da Academia de Ciências Cubana.

Protocolo de Kyoto

- Conjunto de metas para a redução de gases poluentes, os quais, acredita-se, estejam ligados ao aquecimento global. O protocolo, assinado por 141 países, mas não os Estados Unidos, principal produtor desses gases, entrou em vigor em fevereiro de 2005, mas não surtiu qualquer tipo de efeito.

Karl Marx

(1818- 1883) - Filósofo e economista revolucionário, nascido na Alemanha, que criou as bases teóricas do comunismo. Suas obras vão desde a crítica ao modo de produção capitalista à estratégia que os trabalhadores, explorados dentro desse sistema, devem assumir para alcançar sua liberdade. Pentágono - Sede do Departamento de Defesa do governo dos Estados Unidos.



João Alexandre Peschanski
Periodista de Brasil de Fato, enviado especial a Puerto Príncipe (Haití)

AFRO-BLOG'S