quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Cojira-Rio no I Ciclo de Conversas Negras

 

Maceió faz encontro nacional pelo enfrentamento do racismo estrutural

A Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro (Cojira-Rio/SJPMRJ), representada pela jornalista Sandra Martins, participa do o I Ciclo Nacional de Conversas Negras: “Agosto Negro ou O Que a História Oficial ainda não Conta”, entre os dias 24 e 26 de agosto, em Maceió (AL). A proposta do Projeto Raízes da África, que conta com 150 vagas para inscrições, é fomentar o diálogo e a união de esforços para o enfrentamento do racismo estrutural e suas conseqüências sociais. Além da valorização de atividades acadêmicas focadas na temática do negro no Brasil e do estímulo ao ensino da História da África na rede de ensino pública e privada.

Para a jornalista, é fundamental haver um diálogo entre os diversos segmentos da sociedade em prol da própria sociedade brasileira, heterogênea na cultura, nas cores, na historicidade de seu povo. “Com a Lei 10.639/03 – que criou a obrigatoriedade do estudo da África e dos afro-descendentes no currículo escolar – o brasileiro passa ser visto a partir de sua própria constituição e não a que lhe foi imposta por idealizações construídas ainda no Brasil Colônia. E a mídia, os meios de comunicação e seus profissionais, têm um papel importantíssimo na visibilização destas discussões proativas.”

O Ciclo Nacional de Conversas Negras, que tem como um dos alicerces a transversalidade da Lei Federal nº 10.639/03 e em Alagoas com a especificidade da Lei Estadual nº 6.814/07, será aberto a diversas artes que dialoguem sobre pertencimento identitário e nossas histórias afirmativas.

A iniciativa, fruto da interlocução entre o movimento social negro e diversas instituições, dentre elas a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial/Seppir, o Ministério de Educação/Secad, a Federação das Indústrias do Estado de Alagoas, Livrarias Paulinas, contará com a participação de atores sociais vindos de várias partes do país.

Conforme Arísia Barros, coordenadora do Projeto Raízes, “Construir Conversas Negras” é criar possibilidades de reflexão e o redimensionamento da questão estrutural do racismo, “não só nos currículos das escolas alagoanas, mas em todos os espaços formativos na busca da criação de um processo de diálogo que contemple e problematize temas relacionados à discriminação e desigualdades raciais. E, sobretudo, discutir o racismo como violência de caráter endêmico, implantada em um sistema de relações assimétricas, fruto da continuidade de uma longa tradição de práticas institucionalizadas”.

Black August - A inspiração da titulação do I Ciclo Nacional de Conversas Negras: “Agosto Negro ou o Que a História Oficial Ainda não Conta” – Black August – tem suas raízes fincadas na década de 1970 na Califórnia, nos Estados Unidos. Este período ficou marcado para a cultura negra, como um mês de grande resistência à repressão e dos esforços individuais e coletivos contra o racismo.

Na época, o movimento, liderado pelo grupo afro-americano Black/New Afrikan Liberation Movement, surgiu das ações de homens e mulheres que se opunham às injustiças contra os afro-descendentes. A repercussão positiva do movimento afroamericano gerou adaptações do Black August à realidade de outros países – como Cuba, Jamaica, África do Sul, França e Rússia – que lutam contra a discriminação e desigualdade racial.

Serviço:

I Ciclo Nacional de Conversas Negras: “Agosto Negro ou O Que a História Oficial ainda não Conta”

Período: 24 e 26 de agosto

Horário: 8h à 18h

Local: Federação das Indústrias do Estado de Alagoas - FIEA.

Av. Fernandes Lima, 385. Ed. Casa da Indústria, auditórios do térreo e 4º andar

57055-902 - Farol – Maceió - AL

Inscrições: e-mails raizesdeafricas@gmail.com.br e promomaceio@paulinas.com.br

Informações: Tels.: (82) 8815-5794, (82) 8898-0689, (82) 8882-2033.

AFRO-BLOG'S