segunda-feira, 6 de setembro de 2010

História de gente que trabalha, conquista e acredita em dias muito melhores

 

Por Inês Pandeló - Deputada Estadual

Em tempos de grandes mudanças sociais no Brasil, a história deve e precisa ser lembrada como fonte de cultura, um dos nossos maiores legados. Hoje, 6 de setembro, faz 171 anos que Manoel Congo, líder da maior rebelião de escravos que ocorreu em Paty do Alferes, no Vale do Paraíba do Sul, foi brutalmente enforcado.

Nesta data que antecede as comemorações da Independência do Brasil, faz-se necessária uma reflexão sobre o papel de cada um na sociedade. Muitos, a exemplo de Manoel Congo, sonharam e lutaram por uma vida melhor, com menos preconceitos, mais igualdade de direitos e menos discriminação socioeconômica.

Naquela época foi preciso que Congo fizesse tremer os alicerces do regime escravocrata fluminense nas terras do café para que houvesse um levante de negros no Estado em busca da tão sonhada liberdade. Nos dias atuais, precisamos fazer valer a nossa cidadania para que as lutas, de maneira democrática, não sejam em vão.

Ao longo dos anos, estamos transformando a história do país, através da classe trabalhadora. Atingimos o ápice ao eleger em 2002, o primeiro operário presidente da República - Luiz Inácio Lula da Silva. Consolidamos essa escolha ao reelegê-lo em 2006. Agora, queremos seguir quebrando paradigmas e mostrando que podemos muito mais. Podemos e queremos eleger a primeira mulher presidente do Brasil - Dilma Rousseff.

Eu fiz parte de todo esse processo e muito me orgulho em ser do Partido dos Trabalhadores, honrando minhas origens e defendendo na Assembleia Legislativa a igualdade entre homens e mulheres, a redução da violência doméstica contra crianças, jovens e mulheres, a recuperação e a preservação do Rio Paraíba do Sul e o desenvolvimento de maneira sustentável, com a geração de empregos, a economia solidária, a educação profissionalizante e a melhoria do atendimento à saúde.

Acredito que esse é o meu papel: ajudar cada vez mais as pessoas a terem uma vida plena e com maior dignidade. A história da nossa Nação tem sido escrita com sangue, vida, suor, trabalho e conquistas. Com muitas mãos. Nossa história é a história de gente sofrida, guerreira, mas que acredita que sempre pode ser melhor!

Fonte: Blog da Deputada Inês Pandeló

AFRO-BLOG'S