sábado, 21 de fevereiro de 2015

Calendário Afro - Fevereiro, 21 à 29


21 - Morre em Nova Iorque (EUA), o líder incontestável dos muçulmanos negros americanos, Malcolm X. (1965)

22 - É organizada em Nova Iorque (EUA), a Associação Nacional de Ajuda aos Libertos. (1862)
22 - Nasce no Rio de Janeiro (RJ), o zagueiro da Seleção Brasileira de Futebol Marcelo Costa Gonçalves. (1966)
22 - É destruído um quilombo na localidade entre os arroios Sampaio e Taquari Mirim, Rio Pardo (RS) (1853)

23 - Nasce em Great Barrington, Massachusetts (EUA), Willian Edward Burghard Dubois, considerado pai dos movimentos pelos direitos civis nos Estados Unidos e precursor do pan-africanismo. (1868)
23 - O artista plástico Arthur Bispo do Rosário é levado pelas mãos do pai para o Escola de Aprendizes, no Quartel Central do Corpo de Marinheiros Nacionais Villegaignon no Rio de Janeiro, recebendo o número 15148.
23 - Nasce o ator e artista plástico Antonio Pompêo. (1953)
23 - Morre nos Estados Unidos, aos 51 anos, vítima de problemas cardíacos, o baterista Tony Williams. (1997)

24 - Nasce na Cidade de Aurora (CE), o artista plástico Geraldo Simplício - Nêgo. (1943)

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Hora de uma frente de esquerda com agenda alternativa

Em reunião da Executiva, Marcio Pochmann defende união e mobilização dos movimentos sociais para deter avanço das bandeiras da direita

Escrito por: Henri Chevalier e Isaías Dalle • Publicado em: 05/02/2015 - 18:23 • Última modificação: 05/02/2015 - 18:47

Roberto Parizotti
Para dar substância e potência política a essa disputa, o caminho para a CUT e os movimentos sociais, incluindo as entidades mais jovens, é construir uma frente de esquerda.Na opinião de Marcio Pochmann, ao movimento sindical não bastará continuar lutando para barrar medidas recessivas anunciadas pelo governo Dilma. Ao mesmo tempo em que exercita essa resistência, deve apresentar uma agenda alternativa, para disputar os rumos do governo.

Calendário Afro - Fevereiro, 11 à 20

11 - Nelson Mandela é libertado pelo governo racista da África da Sul. (1990)

12 - Nasce em Duas Barras (RJ) o compositor e cantor Martinho José Ferreira, o Martinho da Vila, um dos grandes criadores do samba carioca e um dos maiores impulsionadores das relações culturais entre o Brasil e o continente africano. (1938)
12 - Nasce em Garanhuns (PE) o cantor, compositor e instrumentista José Domingos de Morais - Dominguinhos. (1941)
12 - Fundação em São Paulo (capital), da Escola de Samba X-9 Paulistana. (1975)
12 - Fundação, no Rio de Janeiro, da Sociedade Afro-Cultural Lemi-Ayo. (1987)

13 - Tem início com Amilcar Cabral em Cassaca, o I Congresso do PAIGC, nas zonas libertadas do sul, que operou uma mudança decisiva no avanço da luta armada. (1964)

14 - Nasce nos Estados Unidos, Frederick Douglas, escritor, defensor da causa abolicionista. (1817)
14 - Morre aos 71 anos de idade, o líder e estudioso das questões negras, o baiano Manuel Querino. (1923)
14 - Morre assassinado, após prolongada tortura, Patrice Lumumba, líder revolucionário do Congo Belga, atual Zaire. (1961)
14 - Morre aos 61 anos, Carolina Maria de Jesus, favelada, autora de “Quarto de Despejo”, “Casa de Alvenaria” e “Diário de Bitita”. (1977)

15 - Morre no Arraial do Tijuco, atual Diamantina (MG), aos 70 anos de idade, Francisca da Silva, a lendária Chica da Silva. (1796)
15 - Após resistir a várias crises, desaparece o rancho Ameno Resedá. (1941)
15 - Morre num hospital em Santa Mônica, (EUA), vítima de câncer, o cantor Nathaniel Adams Coles - Nat King Cole. (1965)

16 - Nasce na Filadélfia (EUA), a cantora de ópera Marian Anderson. (1902)

17 - Morre aos 75 anos, Alfredo Viana Filho, o Pixinguinha, um dos maiores e mais importantes compositores brasileiros. (1973)
17 - Fundação no Rio de Janeiro, da Sociedade Dançante Carnavalesca Ameno Resedá. (1907)
17 - Morre de câncer no Rio de Janeiro, o cantor e compositor Monsueto Campos de Menezes - Monsueto Menezes.
17 - Nasce no Brooklyn, Nova York (EUA), o jogador de basquete Michael Jefrrey Jordan, Michael Jordan. (1963)
17 - Morre o pianista norte-americano Thelonius Monk, (1982)

18 - Fundação em Salvador (BA), do Afoxé Filhos de Gandhi. (1949)
18 - Surge como bloco, a Escola de Samba Acadêmicos de Santa Cruz, desfilando com 40 componentes, na passarela da Av. Felipe Cardoso, no centro de Santa Cruz (RJ). Cores: verde e branco. (1959)
18 - Independência de Gâmbia. (1965)
18 - Morre no Rio de Janeiro, aos 68 anos, o cantor Anísio Silva, que imortalizou através de sua voz canções como: “Interesseira”, “Alguém me disse” e “Quero beijar-te as mãos”. (1989)

19 - O americano W. E. B. Dubois, um dos pioneiros da luta pela independência e unidade africana, organiza o I Congresso Pan-Africano, em Paris. (1919)
19 - Morre aos 76 anos de idade, em conseqüência de enfisema pulmonar, o cantor e compositor Nelson Cavaquinho. (1986)
19 - Fundação no Rio de Janeiro do G.R.E.S. Caprichosos de Pilares. Cores: azul e branco. (1949)
19 - Morre em Santa Teresa, no Rio de Janeiro, o poeta e ator Solano Trindade. (1974)

20 - Publicada Carta Régia declarando que “sendo presente o demasiado luxo das escravas no Brasil, e devendo evitar-se esse excesso e o mau exemplo que dele podia seguir-se”, el-rei era servido resolver que as escravas de todo o Brasil em nenhuma capitania pudesse usar vestidos de seda, de cambraia, ou halandas, com rendas ou sem elas, nem também de guarnição de ouro ou prata nos vestidos. (1696).
20 - Morre em Washington (EUA), o escritor, editor do “North Star” Frederick Douglas. (1895)
20 - Nasce em Miami (EUA), o ator, diretor e Embaixador das Bahamas no Japão, Sidnei Poitier. (1924 ou 1927)

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Democratizar a comunicação para garantir a liberdade de expressão do povo brasileiro

Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Comunicação Social Eletrônica, conhecido como Projeto de Lei da Mídia Democrática, tem como principal objetivo garantir o pleno direito à liberdade de expressão e ao acesso à informação. Lançado por dezenas de entidades organizadas em torno da campanha Para Expressar a Liberdade, em 2013, o texto precisa da assinatura de 1% do eleitorado nacional (cerca de 1,4 milhão de pessoas), distribuído em pelo menos cinco estados, como estabelece a Constituição Federal – CF (art. 61, § 2º)..

Ao contrário de países democráticos como Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Canadá, Espanha e Argentina, que promovem regulação do sistema de mídia, o Brasil ainda hoje é caracterizado por uma brutal concentração dos meios de comunicação, tanto na radiodifusão quanto nos veículos impressos. A internet tem cumprido importante papel no sentido de multiplicar as vozes em circulação na esfera midiática, mas neste espaço também atuam os grandes conglomerados de mídia, reforçando a concentração econômica do setor.
Ao mesmo tempo, carecemos de mecanismos transparentes e democráticos para a concessão de outorgas de radiodifusão e não há no país uma política que garanta a complementaridade entre os sistemas público, privado e estatal de comunicação, como previsto na Constituição Federal. A ausência de um campo público de comunicação robusto aumenta o poder de mercado do setor privado/comercial, enquanto canais comunitários seguem à margem do sistema midiático.
Dispositivos de fomento à produção nacional, regional e independente estão restritos hoje ao Serviço de Acesso Condicionado (TV por assinatura), a partir da Lei 12.485/2011. Na TV aberta, prevalece a concentração da produção no eixo Rio/São Paulo, a maior parte dos canais já tem mais produção estrangeira que nacional, crescem os casos de sublocação das grades de programação e de transferência de concessões de forma irregular e sem qualquer debate público. A ausência de mecanismos para o direito de resposta nos meios de comunicação também cria um ambiente de violação dos direitos humanos e de restrição à liberdade de expressão de indivíduos e grupos sociais.
Por isso, há mais de um ano, entidades e movimentos sociais vêm se mobilizando para coletar assinaturas em todo o país em favor do Projeto de Lei da Mídia Democrática, que visa mudar esse quadro. O projeto já conta com o apoio de milhares de eleitores e têm pontos de coleta espalhados em vários estados.
Diante da possibilidade de regulação econômica da mídia aventada pela presidenta Dilma Rousseff durante a campanha eleitoral de 2014, para pôr fim à concentração da propriedade dos meios, as entidades que militam há anos pela democratização da comunicação no Brasil estão intensificando o processo de coleta de assinaturas ao Projeto de Lei em todo o país, agora também por meio eletrônico.

Democratizar a comunicação para garantir a liberdade de expressão do povo brasileiro

Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Comunicação Social Eletrônica, conhecido como Projeto de Lei da Mídia Democrática, tem como principal objetivo garantir o pleno direito à liberdade de expressão e ao acesso à informação. Lançado por dezenas de entidades organizadas em torno da campanha Para Expressar a Liberdade, em 2013, o texto precisa da assinatura de 1% do eleitorado nacional (cerca de 1,4 milhão de pessoas), distribuído em pelo menos cinco estados, como estabelece a Constituição Federal – CF (art. 61, § 2º)..

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

O PT e suas referências

banner_pt
É notável a semelhança entre as duas imagens acima.
Pode-se imaginar que a tomada da imagem da esquerda (ops!) como referência para o folder de comemoração dos 35 anos do PT tenha partido de um designer contratado para fazer este trabalho. A que aparece aqui foi capturada (ctrl+c, ctrl+v) da tela de um conhecido site de venda de imagens (thinkstockphotos.com). Não podemos garantir que esta foi a fonte do designer, mas essa é uma hipótese bastante plausível. Ela retrata Zeus, o rei dos céus na Grécia Helênica, pai de todos os deuses e homens.
Designers necessitam cultivar um vasto conhecimento, pois que imagens, letras, cores, efeitos visuais etc. vêm carregados de simbolismos, os quais não são passíveis de descarte pura e simplesmente. A Grécia Antiga, e toda a simbologia que produziu, até hoje serve de referência para as sociedades contemporâneas.
Ok, o designer contratado não aprendeu que quando ele toma uma imagem como referência é preciso pesquisar exaustivamente em que contexto ela foi produzida originalmente. Sem isso, ele corre o risco de utilizar uma imagem e trazer junto muito mais do que pegou. A imagem pode vir prenhe dos significados que outrora lhe conferiram, significados estes que serão “lidos” nos dias atuais, quer ele queira ou não.
Ainda que os sujeitos nos dias de hoje não tenham conhecimento de que ali está Zeus com seu raio poderoso prestes a ser atirado contra seus inimigos, a imagem tem algo de arquetípico, atravessa gerações, está presente no inconsciente coletivo, como explicou Jung, desde tempos imemoriais como uma referência, sem que dela tenhamos clareza.
Ok, nosso amigo designer sentiu que aquela era uma imagem forte, simbólica, algo ecoou no fundo do seu ser… mas ele não queria fazer muito esforço para compreender um pouquinho de onde apareceu esse tal de Zeus. Entregou o trabalho e recebeu sua (in)justa remuneração.
Ah, mas designers não trabalham sem que seus clientes aprovem suas criações. Mas quem eram seus clientes, afinal? Milhares e milhares de militantes petistas espalhados Brasil afora. Gente que ajudou a fundar o partido ou que por ele milita há anos, gente jovem que renova e refresca o partido, gente de ambos os sexos, gente de todas as cores e raças, gente com todo tipo de deficiência, gente de todo tipo. Gente, não deuses. Pessoas que fizeram e fazem parte da história do Partido dos Trabalhadores.
Como é muito complexo se fazer uma consulta pública para a escolha da logomarca dos 35 anos, os militantes têm todo o direito de acreditar que os dirigentes do partido, por eles eleitos no último processo de eleições internas, possam avaliar o trabalho do designer e fazer as críticas pertinentes.
O “Zeus” moderno da logomarca, rei sabe-se lá de que, está pronto a atirar a estrela do PT nos seus inimigos? Vamos voltar à luta de pedras e tacapes ao invés do embate de ideias? Porque um homem está ali retratado se o partido é composto também por mulheres? O fato de não vermos um pênis não significa que não reconheçamos um homem na figura. O colorido da imagem é apenas um artifício tosco para remeter à pluralidade de pessoas e ideias dentro do partido? Não cola. E afinal, ninguém lembrou que o homem grego da antiguidade, forte, esbelto, viril como o da logomarca, foi a inspiração do nacional-socialismo alemão? E porque, raios (ops!), deixaram que se colocasse esta frase ufanista que corrobora a ideologia da grandeza dos escolhidos, dos mais fortes, dos que se acham perfeitos, dos filhos meus?
Quanta preguiça mental! Quanta falta de conhecimento geral!
Alô, Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores! Mudem essa logomarca, por favor! Vamos aderir à campanha #PeloAmorDeZeus!
*Conceição Nascimento é Ex-Secretária Nacional de Mulheres do PT
**Sonia Travassos é Antropóloga/militante do PT-RJ

AFRO-BLOG'S