quarta-feira, 1 de abril de 2015

Em Pauta Conjuntura: 51 anos do golpe civil-militar no Brasil

Em Pauta Conjuntura: 51 anos do golpe civil-militar no Brasil

Na fonte, publicado em: 
1 Abril, 2015

A Secretaria Nacional de Organização e a Escola Nacional de Formação estão convocando um amplo processo de debate pré-congressual a respeito dos temas da conjuntura atual, para preparar a nossa militância para as Etapas Municipais e Estaduais do 5º Congresso e para a ação política de todos os Diretórios Municipais, Estaduais e de todos os setoriais do PT.
Neste momento, em que diferentes setores da direita brasileira, por meio de métodos autoritários e golpistas, afrontam a democracia e o Estado de Direito, desqualificam a atividade política para continuar beneficiando uma elite social que favorece os interesses dos grandes rentistas, atacam frontalmente o governo da presidenta Dilma, que venceu as eleições livres com 52% dos votos, é muito importante que a discussão sobre a conjuntura nos diretórios, núcleos e mandatos do partido seja retomada e ampliada com o vigor necessário. Nosso objetivo é fortalecer a capacidade de leitura, interpretação, elaboração de nossos/as militantes, filiados e filiadas, contribuindo para uma forte ofensiva política voltada ao diálogo com a sociedade e à ação política do PT em cada lugar.
Para isso, a Escola Nacional de Formação do PT está produzindo o “Em Pauta Conjuntura”, que apresenta roteiros para leitura de artigos divulgados no portal do PT Nacional, no Portal da Fundação Perseu Abramo, no site da liderança da bancada do PT na Câmara Federal, no site do PT no Senado, no portal do Instituto Lula e em portais e blogs de esquerda e progressistas, sempre que os artigos contribuírem para a compreensão de temas importantes para o País em coerência com a política do PT. O boletim será diário e distribuído pela Secretaria Nacional de Organização e pela Secretaria Nacional de Movimentos Populares.
Com estas ações, podemos criar um ambiente ideal para ampliarmos a nossa mobilização em cada cidade do Brasil. Esta é uma vantagem que nenhum outro partido possui. Precisamos trazer os nossos mais de 1,7 milhão de filiados e filiadas para a disputa política.
Clique aqui e confira as orientações e o roteiro para a realização dos debates!
................................................................................................................................................
51 anos do golpe civil-militar no Brasil
Hoje, 1º de abril de 2015, faz 51 anos do golpe civil-militar que depôs o governo legalmente constituído de João Goulart. Inúmeras instituições e órgãos governamentais farão eventos para recordar este momento da história brasileira, que inaugurou 21 anos de ditadura no País. No Senado, por exemplo, a Comissão de Direitos Humanos (CDH) realizará uma audiência pública para relembrar o golpe de 1964. Com o mesmo intuito, o projeto “Memórias da Resistência” lança, hoje, um documentário de mesmo nome. Assista aqui a um dos depoimentos do filme.
Outras ações simbólicas serão realizadas para recordar a data. O governo do Maranhão, por exemplo, vai rebatizar escolas que levavam nomes de pessoas ligadas à ditadura militar. Veja a notícia completa aqui.
A Escola Nacional de Formação do PT tem produzido uma série de textos de conjuntura sobre o golpe de 1964 e a ditadura nos últimos dias e recomenda a leitura do artigo “O golpe de 1º de abril e seu arsenal de mentiras” – produzido pela Carta Maior em 1º de abril de 2014, quando o golpe fez 50 anos –, para que se possa compreender como a deposição de Jango foi articulada e se instaurou uma ditadura civil-militar no Brasil; e da entrevista “Laços entre empreiteiras e governo brasileiro se estreitaram durante ditadura, diz pesquisador”, do Opera Mundi, que traz o livro “Estranhas Catedrais – as empreiteiras brasileiras e a ditadura civil-militar”, escrito pelo professor Pedro Campos, diretor do Departamento de Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).
Além disso, indicamos os vídeos: “As vítimas da ditadura”, que traz depoimentos e imagens daqueles que enfrentaram a repressão e o autoritarismo deste regime; “Silêncios da Ditadura: Músicas que provocaram a ira dos militares”, que fala sobre a censura do regime às músicas da época; Dilma falando sobre a repressão da ditadura, as torturas que sofreu e da importância da democracia; e a notícia de que o Arquivo Nacional liberou cinco mil fotos da ditadura, que traz algumas imagens de pessoas que foram torturadas e assassinadas pelo regime, incluindo o jornalista Vladimir Herzog.
Também recomendamos os seguintes livros de autores que se debruçaram sobre o tema, bem como de brasilianistas e dos próprios militares, para que se compreenda a construção do pensamento autoritário e do projeto de poder dos militares no Brasil:
1) DENYS, Odylio. Ciclo Revolucionário Brasileiro. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1993.
2) HAYES, Robert Ames. Nação Armada: A Mística Militar Brasileira. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1991.
3) MATHIAS, Suzeley Kalil. A militarização da burocracia: a participação militar na administração federal das Comunicações e da Educação, 1963-1990. São Paulo: Editora Unesp, 2004.
4) MATTOS, Meira. Castello Branco e a Revolução. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1994.
5) ALVES, Márcio Moreira. Beabá dos MEC-USAID. Rio de Janeiro: Edições Gernasa, 1968.
6) FÁVERO, Osmar (org.). A educação nas constituintes brasileiras: 1823-1988. Campinas/SP: Editora Autores Associados, 2005.
7) SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Castelo a Tancredo. Trad. Mário Salviano Silva. 8ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.


AFRO-BLOG'S